Faleceu ontem, 15 de abril, dom Aldo Mongiano, bispo emérito de Roraima. Nascido em 1º de novembro de 1919, ingressou no Instituto dos Missionários da Consolata, sendo ordenado padre em 3 de junho de 1943. Em 1975, foi nomeado bispo da então Prelazia de Roraima, tendo sido ordenado em 5 de outubro do mesmo ano. Ficou à frente daquela igreja particular até 1996. Emérito, optou por residir na Itália, junto aos seus confrades.

 

Ano passado, celebrou missa de ação de graças pelos seus 100 anos de vida. A missa ocorreu na cidade de Turin, na Itália, com a presença de dom Mário Antônio, atual bispo de Roraima, um grupo de amigos daquela diocese e de missionários e missionárias da Consolata. Na homilia, dom Aldo assim se expressou:

“Eu somente recebi favores e graças de Deus. Recebi tantos dons. Estou triste por não ter sido mais generoso na resposta ao Senhor. Poderia ter sido mais dedicado, mais pronto ao sacrifício, mais amável. Peço perdão dos meus limites, dos meus pecados, e vos agradeço por tanta bondade”. Com o coração universal, Dom Aldo recordou que foi missionário em muitas igrejas, falou em muitas nações e em muitas línguas. E explicou: “porque essa era minha missão. Eu devia anunciar o Senhor, falar de Deus bom, de Deus misericordioso, que mandou seu Filho para nos salvar, que veio nos ensinar como conduzir os nossos passos no caminho da vida. Nunca pensei que iria receber tantas honras, tantas graças, tanta misericórdia, tanta bondade. Estou aqui para agradecer. Se tivesse que dizer os favores recebidos quem os poderia contar?  Se tivesse que contar as vezes que tive de pedir perdão a Deus, quem as poderia contar? Perdão Senhor! (…) Agradeço a todos os que viveram comigo e me acompanharam e me ajudaram. Consagrei a minha vida a Deus, à Nossa Senhora e às missões. Peço ao Senhor que abençoe a vossa casa, as vossas famílias, a vossa vocação”.

Notificado do falecimento, dom Mário Antônio da Silva, bispo de Roraima e segundo vice-presidente da CNBB, disse que se une em oração e agradece a Deus pelo dom da vida e missão profética de dom Aldo em Roraima. Também se solidariza com o Instituto Missionário Consolata, com familiares e amigos, especialmente os que conviveram com dom Aldo de 1975 a 1995.

A CNBB se une à diocese de Roraima, ao Instituto da Consolata para Missões Estrangeiras, na ação de graças a Deus pela vida e o testemunho dedicado de dom Aldo Mongiano, cujo sepultamento ocorrerá no próximo sábado, dia 18 de abril, na cidade de Pontestura, Itália.

 

Nota de condolências da CNBB pelo falecimento de dom Aldo Mongiano

 

Brasília, 16 de abril de 2020

 

Prezado Irmão, dom Mário Antônio da Silva

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) manifesta pesar pelo falecimento do bispo emérito da diocese de Roraima, dom Aldo Mongiano, ocorrido na quarta-feira, 15 de abril de 2020.

Nosso irmão, dom Aldo, realizou uma trajetória de grande amor, sobretudo com os povos indígenas de Roraima, uma escolha importante e histórica. Com coragem e profecia denunciou a situação de abandono e exploração que diversas comunidades indígenas sofriam, muitas vezes sendo ameaçado e perseguido.

Sempre recordaremos, com afinco, a fidelidade à Igreja e a corajosa posição em favor dos mais desamparados, características do ministério de dom Aldo, que tinha como lema episcopal “Graça e paz abundantemente”.

Por isso, neste momento, a Conferência une-se em oração e se solidariza com todos os que conviveram com dom Aldo. Enviamos nossa saudação ao senhor, dom Mário, aos familiares de dom Aldo, e a todas as comunidades da diocese de Roraima.

Em Cristo,

 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte (MG)
Presidente da CNBB

Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre (RS)
Primeiro Vice-Presidente da CNBB

Dom Joel Portella Amado
Bispo auxiliar da arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ)
Secretário-geral da CNBB