Gostaria de agradecer a todas as Igrejas da América Latina que abriram não apenas suas fronteiras, mas deram a si mesmas a oportunidade de viver as obras de misericórdia através de todos os gestos que tiveram.

WhatsApp Image 2019 06 25 at 23.45.06 06 768x512 600x400Padre Andrés Arcila é Vigário Geral da Diocese de El Tigre, Venezuela, um país onde a migração se tornou uma realidade muito presente. Conhecer a situação dos migrantes venezuelanos é o que o levou a viajar no Brasil. Em sua visita, ele descobriu que, em muitos casos, a situação não é fácil, ele chega falar de “uma situação de depressão, de desespero”.

Diante dessa realidade, a Igreja venezuelana tenta ajudar, os venezuelanos que estão fora do país e aqueles que estão no próprio país, especialmente idosos e crianças, vítimas de uma situação que é improvável que tenha uma solução imediata. Há muitos que saem e aqueles que querem sair, deixando um país em uma situação muito complicada. A Igreja praticamente rompeu relações com o governo, que ameaça cortar os recursos destinados à educação em colégios dependentes da Igreja.
Ele agradece “a todas as Igrejas da América Latina que abriram não apenas suas fronteiras, mas foi dada a oportunidade de viver as obras de misericórdia por todos os gestos que tiveram”, também “todas as pessoas que se preocuparam, todas as pessoas que viram essa necessidade”.

O que lhe trouxe ao Brasil?

Minha razão para visitar a área de Boa Vista, Manaus, é aceitar um convite da Pastoral dos Migrantes, com motivo da Semana dos Migrantes, para vir a observar, acompanhar, conhecer a situação neste momento da diáspora do povo venezuelano, que desde 2016, diante da situação política na Venezuela, teve a decisão de começar a viver essa experiência de emigração.
Sabendo em primeiro lugar que não faz parte da sua cultura emigrar, o venezuelano é uma pessoa que se sente muito confortável com a sua família, muito confortável com seu povo, mas muitos têm visto como uma necessidade diante da impossibilidade de conseguir alimentos para a família, dada a situação de injustiça que ocorreu em muitos casos, devido à mesma condição política, eles decidiram emigrar. Essa é uma das realidades que neste momento estou constatando, o que mais me impressionou é que eu nunca estive em um campo de guerra, mas pelo menos em Boa Vista era uma coisa similar, como se estivéssemos na África , algo que eu nunca sonhou um venezuelano, estar em uma área concentrada, tendo que ser um refugiado, e mesmo enfrentado, porque, embora tenha havido todo o bom desejo de abrir as fronteiras para o venezuelano, escapou, o número de pessoas é maior do que realmente a possibilidade de atenção que pode ser feita. E isso originou diferentes situações.
Originou-se uma situação de luta por um trabalho, fez com que as pessoas, como família, fiquem separadas, porque cada um quer defender seu próprio grupo familiar. Há quem tenha experimentado no modo de tratar às mulheres, há algumas que experimentaram prostituição, e isso trouxe muitas consequências. Talvez os mais vulneráveis são os indígenas do povo Warao, que já na Venezuela, eles são da região de Tamacuro, eles haviam migrado para as cidades e viviam se ajudando com o que as pessoas poderiam fornecer. Chamou a minha atenção ver chegar um ônibus completo em Boa Vista. Aqui em Manaus existem cerca de 460 pessoas da etnia Warao.
Isso para a Igreja é um desafio, porque há pessoas que se sentem vulneráveis, há pessoas que estão passando por uma situação de depressão, desespero, e até tocou-me ser uma ponte, porque alguns paroquianos que souberam que eu estava vindo aqui, uma das coisas que enviaram são cartas para alguns parentes em Boa Vista e em Manaus, porque não puderam ter mais contato. Estamos querendo acompanhar essa realidade, especialmente para informar também as pessoas na Venezuela de que não podemos decidir deixar o país sem nos estruturarmos, sem saber para onde estamos indo, porque estamos trazendo problemas.
Todos os países para os quais já migraram têm os seus próprios problemas, têm problemas sociais, políticos, econômicos, e de alguma forma somos um risco, infelizmente, para um grupo de pessoas, mas também pode ser uma oportunidade para perceber que o mundo não tem fronteiras, nós as colocamos. Mas a minha primeira intenção é chegar para acompanhá-los, faze-los sentir que, obviamente, também estamos com eles, que aqueles que deixaram lá eles estamos tentando acompanha-los, porque, como tem sido uma migração forçada, muitos foram deixando seus filhos, pelo fato de não eles não saber o que iam encontrar, esperando mandar alguma coisa para seus filhos, mas isso não é uma realidade em todos os lares.
Estamos neste trabalho que temos vindo fazendo, vendo como Caritas Brasileira, como as pessoas da pastoral dos migrantes, como as vontades políticas desde o Brasil, em alguns casos, eles querem apoiar. Insisto que pode haver um momento de exaustão de todos aqueles que fazem os esforços, esperando que na Venezuela também possa acontecer um processo de esperança e mudança na realidade que estamos vivendo.

Qual é a reação que o senhor sente quando se depara com os venezuelanos, o que é o sentimento que o senhor vê neles?

O que eu tenho vivido, isso me parece muito duro, porque existem pessoas na rua. Eu chamo situação de rua não o fato de que eles não terem um teto para dormir, mas eles não se sentir seguro com aqueles com que estão vivendo. Alguns deles me perguntaram, padre, o senhor veio para ficar aqui em face da situação? Infelizmente, nós também sofremos a diáspora de padres, pelo próprio fato de condição de saúde. Temos um caso particular que o padre teve que migrar para o Equador, porque não encontrava os remédios. Algumas pessoas pedem, envie-lhe saudações a minha família, diga que eu estou bem, eu sei que eles estão se preocupando, porque há pessoas que não tiveram a possibilidade de contato direto.

O senhor veio a conhecer um pouco da realidade e acompanhar os migrantes. A Igreja venezuelana tem quaisquer planos nesse sentido, enviar sacerdotes para países da América Latina onde estão presentes os migrantes venezuelanos?

Já existem alguns que fizeram isso. No nosso caso, o padre que deixou a diocese de Tigre, foi dada permissão com a condição de que ele acompanhasse a população venezuelana onde ele está, o que é um número bastante grande. Há outras dioceses que cederam padres para acompanhar. Deste lado do Brasil tem sido muito pouco por causa da dificuldade da língua, porque implica que o padre que chega tem que começar do zero, ele tem que vir preparado em português, mesmo se ele vir acompanhar a comunidade latina.
Na Conferência Episcopal Venezuelana, a campanha de Caritas deste ano lidou com a questão das crianças e avós deixados para trás por causa da migração forçada. Tudo o que foi recolhido este ano é para ser usado em campanhas, informações de apoio a estes avós que tiveram de assumir a educação de seus netos e, obviamente, estão enfrentando um sério desafio, porque a situação da juventude e a infância venezuelana também é vulnerável. Em 2017, apenas uma escola perdeu 14 professores, porque emigraram. Este ano, na escola onde eu trabalho agora, já foram 9 professores que migraram até o mês de junho, isso é realmente preocupante.
A Igreja está tentando desenvolver esse tipo de apoio, Caritas Venezuela também tem suporte para essas famílias vulneráveis, que foram acompanhadas com um programa de assistência em caso de desnutrição. Muitas famílias que tem vido, uma das coisas que aconteciam na Venezuela é que as pessoas estavam acostumadas a não pagar quaisquer serviços, não pagavam água, energia, gás, a gasolina era muito econômica. Embora alguns tenham conseguido um emprego, às vezes só conseguem pagar pelos serviços. Então, há pessoas que são vulneráveis porque não têm ninguém para cuidar delas.

Qual é a relação atual entre a Igreja venezuelana e o governo?

Entre a Igreja venezuelana e o Estado não existe uma relação estreita agora, porque todos os bispos são vistos como inimigos. O Estado só aceita falar, com a Nunciatura Apostólica ou com o Vaticano, mas com o resto não estabelece qualquer conversa com os bispos, não lhes permitem ser mediadores, pois os consideram inimigos. O único bispo que talvez viam com algum respeito, era Dom Mario Moronta, que é precisamente bispo de fronteira, porque ele é o bispo de San Cristobal. Diante da grave situação dos migrantes para a Colômbia, Dom Mario tem sido a voz deles. Neste momento não há nenhum tipo de relação entre a Igreja e o Estado venezuelano oficial.

Como isso atinge o dia-a-dia da Igreja?

Atinge na perseguição, tem sido planejado negar à Igreja o subsídio por tudo o que tem a ver com o serviço educativo, tem se diminuído o subsídio que a Igreja recebia. A Igreja na Venezuela tem a Associação Venezuelana de Educação Católica, que recebia um subsídio do governo para apoiar o trabalho educativo que a Igreja exerce em diferentes comunidades. Eles começaram colocar obstáculos, certas restrições. Tinha sido alcançado, por exemplo, que o pessoal que se aposentasse por todos os seus anos de serviço dentro da associação receberia a mesma subvenção econômica que qualquer pensionista do Estado.
O governo venezuelano tirou isso, o novo ministro da Educação decidiu reverter tudo o que tinha sido alcançado com um antecessor do mesmo governo. Porque a qualidade da educação que estava sendo recebida tinha sido demonstrada, e eles foram informados de que, se temos um pessoal em tempo integral, eles nos dariam a facilidade para ajudá-lo em sua aposentadoria. Mas foi quebrado esse tipo de relacionamento.

A migração na Venezuela é algo que pode parar ou é previsto um aumento nos próximos meses, anos?

A questão da migração na Venezuela não vinha dando nenhum sinal de parada. Em janeiro, antes do movimento que ocorreu com o presidente da Assembleia, Guaidó, houve uma pequena queda. Dada a situação que as pessoas não veem que ainda as intenções que tiveram, deram uma resposta forte, tem sido a tendência. As pessoas têm um claro desejo de ir e vir. Há coisas que foram se agravando.
Neste momento, a migração, pelo menos nos próximos dois meses, terá uma pequena estabilidade, mas não porque as pessoas não querem migrar, é que não há combustível na Venezuela. Na minha cidade, em El Tigre, leva entre 24 e 48 horas para carregar combustível, e dependendo do tamanho do veículo, depende a quantidade de gasolina que será colocada. Quem vem para a região do Brasil, a passagem era cara, mas eles triplicaram porque só conseguem viajar com gasolina contrabandeada. Mas isso realmente se torna muito difícil.

Mais alguma coisa que o senhor tem descoberto nesses dias no Brasil?

Gostaria de agradecer a todas as Igrejas da América Latina que abriram não apenas suas fronteiras, mas deram a si mesmas a oportunidade de viver as obras de misericórdia através de todos os gestos que tiveram. Todas as pessoas que conseguiram participar. Peço desculpas pelos erros que poucos venezuelanos cometeram e fez com que foram olhados como pessoas perigosas. Mas sabemos muito bem no caso do Chile, ou de algumas outras nações, em que o trabalho venezuelano é altamente qualificado.
Há experiências que marcaram, por exemplo, no Chile, em termos de medicina, porque um estudo foi realizado e foi visto que a maneira de tratamento do médico venezuelano é muito diferente da do Chile, e não é que o médico chileno não tem a qualidade em termos de sua profissão, mas a proximidade humana fez com que muitas pessoas procurarem médicos venezuelanos por sua maneira de lidar. A gente faz de tudo uma brincadeira, tomamos tudo às vezes com certa leveza, e isso faz com que o jeito da conversa flua e temos visto bons resultados. Mas muito grato a todas as pessoas que se importaram, com todas as pessoas que viram essa necessidade. Se acreditarmos em Deus, sabemos que Deus criou todos nós, todos somos irmãos e parece-me que esta é uma bela condição que estamos recuperando neste momento.

Luis Miguel Modino